decisão escolha decisões sócio

Você sabe o que fazer para escolher um bom sócio?

Desde que entrei no mundo empreendedor, venho procurando os sócios que “sacanearam” seus sócios porque em todos os locais que estive, principalmente, ministrando treinamentos, encontrei apenas os sócios “vítimas”.

Essas “pobres vítimas” dizem que tiveram sócios que as roubaram, puxaram seu tapete, traíram sua confiança, não trabalharam da forma como deveria ser e várias outras acusações.

Sempre ouvi esse lado e nunca teve alguém para defender a posição do sócio “sacana”, afinal nunca encontrei um, por isso, passei a acreditar que esses sócios se reúnem em uma Sociedade Secreta dos Sócios Sacanas para armarem suas estratégias nefastas contra outros “coitadinhos”.

Será que existe realmente essa posição unilateral maquiavélica, “bonzinho” versus “mauzinho”?

Pela minha experiência, posso afirmar que realmente existem pessoas que utilizam da boa vontade do outro e agem de forma pouco ética, porém gostaria de posicionar que tudo o que acontece em nossa vida, tem uma parcela de responsabilidade nossa.

Como normalmente se formam as sociedades? Quais os critérios utilizados para se fazer a escolha de um sócio? Como a decisão é tomada?

A maioria das escolhas é feita por uma relação familiar ou de amizade, pois como dizem alguns: “já que conheço “bem” a outra pessoa, fica mais de confiar”. Será?

Ou então, as pessoas dizem que seu sócio pensa muito igual, “almas gêmeas” e fica tudo mais fácil. Vamos explorar melhor esses pontos?

Primeiro, você já viu ou ouviu casos de filho que roubou o pai, amigo que passou a perna no amigo, irmãos que acabaram com o negócio da família, o primo não fez o que deveria ser feito? Pois é, as histórias são muitas (e pior, verdadeiras), por isso o critério de amizade ou relação familiar não pode ser levado tão em conta em relação à sociedade, afinal existem vários interesses individuais que muitos se esquecem do coletivo.

Segundo, em relação a pensar igual, isso é terrível, pois às vezes um sócio tem uma ideia terrível e o outro por ser tão “igual” acata e não há discussões, talvez levando ao fracasso.

A diversidade em uma sociedade ou em um grupo é excelente, pois são geradas mais ideias, as reflexões são mais constantes, a ansiedade é contida e as decisões podem ser muito mais corretas.

Os “sócios vítimas” que encontro por aí, têm sua parcela de responsabilidade na sociedade em que houve problemas, pois:

  1. Se foram roubados, é porque em algum momento se descuidaram da análise de relatórios e monitorar a empresa como um todo.
  2. Se o sócio é displicente, não cumpre os horários, falta às reuniões e ao trabalho, não faz o que deveria fazer, provavelmente, as funções e atividades não estavam claras.

Afinal, fica a pergunta: quem fez a escolha ou aceitou ser sócio desse “mala”? VOCÊ!!!!

Mas não adianta chorar sobre o leite derramado!!! Se você já desfez a sociedade… bola “pra” frente, se você ainda está com ele, azar é seu? Vai esperar o que para se livrar dele? Então, como deve ser feita a escolha de um sócio?

  1. Pense nos seus pontos fortes e fracos
  2. Liste pessoas que possam ser fortes onde você é fraco
  3. Faça uma entrevista de seleção com essas pessoas para verificar se elas realmente te complementarão
  4. Divida as funções, descreva as atividades para deixar claro que cada um cumprirá seu papel
  5. Coloque tudo por escrito e assinado por todos, assim ninguém poderá dizer que não sabia
  6. Apesar de cada um ter sua função, todos precisam saber o que o outro e você estão fazendo

Não tenha medo de ter sócios, tenha medo da forma que você faz suas escolhas, muita calma nessa hora… Por isso, da próxima vez que for tomar uma decisão faça da forma correta, utilize a razão e não a emoção.


girl-with-tree

Resiliência – você sabe o que é isso?

Na engenharia, resiliência é a resistência e a flexibilidade de uma edificação necessária para que ela não desabe mediante às forças da natureza. Há algum tempo, o mundo corporativo passou a adotar este conceito como uma competência profissional imprescindível aos profissionais que desejam alcançar bons resultados.

Profissionais resilientes são aqueles que conseguem se manter em equilíbrio apesar das pressões, tensões e adversidades da vida moderna.

Nos processos de seleção das empresas, a resiliência é uma competência procurada nos profissionais. E no mundo empreendedor, ela sempre foi necessária, apesar de muitos empresários nunca terem ouvido o termo.

A pessoa que decide empreender, desde o princípio, precisa se manter equilibrada apesar de todos os obstáculos e problemas que ocorrem no dia-a-dia (e olha que não são poucos). Caso esse equilíbrio não ocorra, o empreendedor não consegue tomar decisões e agir para buscar as melhores soluções e o negócio pode acabar tendo muitos problemas. Até porque muitas empresas dependem da decisão apenas dessa pessoa.

Pode até parecer um paradoxo: ter resistência e flexibilidade, mas não é. Ao mesmo tempo, o empreendedor precisa suportar as pressões do negócio e ter flexibilidade (jogo de cintura) para tomar as melhores decisões.

E você? Tem a capacidade de resiliência ou desmorona na primeira dificuldade?


12-Homens-e-Uma-Sentença

Filme: “Doze homens e uma sentença”

Alguns vão pensar que escrevi o nome do filme errado, acreditando ser “12 homens e um segredo”, mas não é. Este é um filme “um pouco antigo”, de 1957 com Henry Fonda bem novinho e por incrível que pareça ele se passa 97% do tempo em uma pequena sala. O que poderia parecer monótono, se torna uma incrível e dinâmica cena.

Doze homens participam de um júri para culpar ou inocentar um rapaz pela morte de seu pai, porém a justiça americana deixa bem claro: se você não tiver certeza da culpa do réu, deve inocentá-lo. Os onze jurados querem terminar logo com a situação e declaram culpado o réu, porém o jurado número 8 não tem certeza e começa a questionar cada um dos outros onze. Até porque acredita que um processo de tomada de decisão não pode ser feito tão rapidamente, afinal é a vida de um ser humano.

Podemos ver claramente neste filme, como as pessoas são levadas a tomar decisões levando em conta apenas seu interesse (um dos jurados quer ir logo embora, pois tem um jogo para assistir) e a grande maioria utiliza acontecimentos em sua vida, preconceitos, crenças e valores (vários jurados utilizaram critérios como a raça, situação financeira, relacionamento com filho) para tomar a decisão e julgar o réu.

O jurado número 8 (Henry Fonda) em nenhum momento defende a inocência do rapaz, mas provoca os outros jurados a pensarem e apesar do filme ser antigo, ele é muito atual, pois nos faz refletir em quantas decisões tomamos guiados pela emoção e simplesmente fazemos julgamentos presos em nosso passado.

No mundo empresarial, quantas vezes julgamos um cliente, um fornecedor ou um funcionário por ele se parecer com um outro com o qual tivemos problemas, ao invés de analisarmos individualmente. Por exemplo, um fornecedor foi desleal e passa-se a acreditar que todos serão; um cliente não pagou e passa-se a acreditar que todos serão devedores; um funcionário deu um desfalque e passa-se a acreditar que todos são desonestos.

Na nossa vida pessoal quantas vezes também tomamos decisões baseadas em alguns “pré-conceitos”, por exemplo: todo adolescente não quer saber de nada, todo tatuado não é do bem, todo nerd vai ficar rico e assim vai…

Se continuar a pensar dessa forma, nunca construirá relações que levem te levem ao crescimento, pois apenas ficará se munindo de armas para lutar contra o mundo.

Julgamentos, preconceitos e paradigmas são muito prejudiciais às pessoas, pois podem perder inúmeras oportunidades. São grandes erros cometidos quando tratamos da questão do processo de tomada de decisões.

Devemos seguir o exemplo do jurado número 8 e começar a questionar mais, pensar mais e buscar novas formas de ver o mundo, procurar alternativas inovadoras. Provavelmente, você se surpreenderá ao mudar esse comportamento.

 

 


Você está disposto a se entregar de corpo e alma para um novo negócio?

dedicacaoA maioria de nós foi educada para ser funcionário de uma empresa ou então, ter estabilidade em um emprego público. Porém, um dos maiores sonhos dos brasileiros é ter seu próprio negócio.

E por quê?

Existem algumas crenças:

  1. Ficar rico
  2. Não ter patrão
  3. Ter liberdade
  4. Ter tempo livre
  5. Fazer apenas o que gosta
  6. Ter qualidade de vida

E você? Por que deseja ter um negócio próprio?

Saiba que essa tomada de decisão te levará a uma vida cujas decisões serão apenas de sua responsabilidade, não poderá culpar os outros pelos resultados.

Uma vida de muito mais trabalho do que quando você é um funcionário. Uma vida de muito mais horas trabalhadas. Uma vida financeira nem sempre tão próspera quanto você imaginou. Mas, uma vida plena se realmente é isso que você deseja!

Porém, viver uma vida empreendedora plena significa se entregar de corpo e alma para o negócio que você tomou a decisão de montar.

Devemos colocar todas as partes de nosso corpo para funcionar em prol do negócio.

Primeiro, ao estabelecer um negócio devemos focar em algo que faz nosso CORAÇÃO bater mais forte, você já deve ter ouvido falar “encontre algo que ama fazer e nunca mais trabalhará”. Você deve encontrar algo que traga um significado especial para você e não apenas o retorno financeiro. Mas, também não se iluda com essa ideia de que você só fará o que gosta, muitas vezes teremos que carregar muitos pianos.

Porém se você fizer algo que não tenha significado, a longo prazo haverá a desmotivação mesmo sendo algo lucrativo.

Porém, cuidado ao se deixar levar apenas pelo CORAÇÃO porque a tomada de decisões deve ser feita de forma racional e não emocional.

Utilize a CABEÇA para planejar seu negócio, nesse momento é hora de se utilizar a razão. Busque informações, analise os riscos e planeje.

As PERNAS servirão para te levar para conhecer novos lugares. Nunca se deixe acomodar, por melhor que seu negócio vá. Visite concorrentes, clientes, novos mercados e poderá encontrar oportunidades.

Os BRAÇOS serão seus instrumentos para operacionalizar sua empresa. Nenhum negócio é só planejamento, o resultado só virá de muita execução.

Você deverá utilizar os OLHOS para visualizar seu futuro e buscar novas oportunidades. O olhar do empreendedor é valiosíssimo para encontrar novidades para seu cliente, pois para ele a tomada de decisões é cada vez mais complexa, pois há uma oferta muito grande e para você se tornar a escolha dele, precisa mostrar seu diferencial. Se for um comércio, você deverá encher os OLHOS do seu cliente com produtos chamativos, vitrines atraentes, pratos bem montados.

Além disso, lembre-se que os OUVIDOS são essenciais para conhecer melhor seus clientes, funcionários e parceiros, ouvir seus concorrentes, obter informações do mercado. Ao ouvir outras pessoas, você sairá do isolamento que muitas vezes se encontra o empreendedor quando precisar tomar decisões.

O NARIZ é a parte do corpo por meio do qual você vai sentir o cheiro desse mercado. Você já ouviu pessoas falarem: “Isso não está cheirando bem…” Aqui funciona o que as pessoas chamam de feeling, mas que não tem a ver com um sexto sentido mágico, mas sim com experiências absorvidas durante sua vida e que compõem informações valiosíssimas para seu negócio, principalmente nos processos decisórios.

E utilize a BOCA para se comunicar com as pessoas, conversar com clientes, funcionários e parceiros. Buscar alianças estratégicas para incrementar seu negócio.

Por último, como tempero mais do que especial, despeje toda sua ALMA nesse novo negócio. ALMA vem do latim “anima” que é o princípio que dá movimento ao que é vivo.

Uma empresa precisa ser movimentada para crescer e se manter e quem irá promover isso será você: o EMPREENDEDOR. Por isso, dedique-se de CORPO e ALMA a este novo desafio!

 


A dificuldade em tomar decisões

joao sem medoGostaria de começar esse artigo narrando uma parte de um livro português de 1973 chamado “As Aventuras de João Sem Medo”.

João morava em uma aldeia e ninguém se atrevia a atravessar a floresta, os moradores choravam de manhã até a noite e não tinham força para nada. O único que não se comportava dessa maneira era João que era chamado João Sem Medo.

Um dia, João resolveu saltar o muro, mesmo contrariando sua mãe e entrou na floresta e depois de algum tempo se deparou com dois caminhos (clássico em várias estórias): um asfaltado, cheio de amendoeiras em flor e outro, pedregoso com espinhos e urtigas.

Pensou: “Aqui estão os dois caminhos: o do Bem e o do Mal”.

João pediu a presença de uma fada (como nos contos) e apareceu um homem fantasiado de fada e disse que o caminho bom conduzia à Felicidade e o mau, à Infelicidade.

Assim, João decidiu ir pelo caminho mais bonito, mesmo achando muito fácil isso.

Ao entrar nesse caminho, encontrou uma figura monstruosa sem cabeça, com os olhos no peito e a boca no estômago e que disse: “Que a paz e a estupidez estejam contigo” e perguntou se ele estava preparado para a operação.

João perguntou sobre a operação e o descabeçado disse que ninguém poderia seguir o caminho que leva à Felicidade Completa sem consentir que lhe cortem a cabeça para não pensar, não ter opinião nem criar piolhos ou ideias perigosas; além de trazer nos pés e nas mãos correntes de ouro.

João recusa esse caminho mesmo o descabeçado dizendo que teria tudo de graça, se escolhesse o outro caminho sofreria e até dizer que poderia manter sua cabeça, apenas sugando o que estivesse dentro dela.

Assim, João segue para o outro caminho dizendo que jurava que não seria infeliz porque ele NÃO queria.

Essa parte da estória retrata bem o por quê das pessoas terem dificuldades para tomarem decisões.

Decisões acontecem a todo minuto, desde o momento em que você desperta e decide se levanta naquele momento ou fica mais 5 minutos na cama, o que vai vestir, o que vai comer, o que fará com aquele contrato, mudar ou não de emprego, como vai abordar um novo cliente, vender ou não a empresa, enfim, da mais simples à mais complexa, decisões fazem parte do nosso dia a dia.

E por que muitas pessoas sofrem para tomar decisões?

Vamos descrever os fatores que dificultam a tomada de decisões:

  • Incerteza –  Os moradores da aldeia do João Sem Medo têm medo do desconhecido, por isso decidem não sair de algo que pode não ser o melhor, mas é conhecido e por ser conhecido sabem como lidar com ele. Definitivamente, nunca saberemos se tomamos a melhor decisão e isso faz com que as pessoas adiem ou demorem muito tempo para decidir, pois querem ter a certeza de que estão dando o passo correto. Digo que precisamos pensar, analisar e decidir pelo o que é melhor para AQUELE momento. Não adianta sofrer pelo caminho não percorrido, pois nunca saberemos o resultado dele. O que precisamos é transpor os obstáculos que aparecerão no caminho que decidimos tomar, enfim, talvez sejam necessárias outras decisões. Querer ter a certeza faz com que as pessoas não saiam do lugar.
  • Complexidade – João Sem Medo citou os dois caminhos: um do Bem e outro do Mal, como se fosse fácil identificar um e outro. O mundo é complexo, ele não é preto ou branco, ele tem vários tons de cinza que muitas vezes temos dificuldades de identificar, pois há linhas muitas tênues que separam um tom do outro. O caminho aparentemente mais fácil para o João Sem Medo o levaria a muitos benefícios, porém ficaria sem a cabeça, enquanto o outro de maior sofrimento poderia ter um resultado melhor, mas também sem saber. Então, qual o melhor? A decisão não é tão simples assim.
  • Objetivos múltiplos – Muitas pessoas têm vários objetivos e isso faz com que se percam ao longo do caminho, pois querem tudo e às vezes, acabam ficando sem nada, pois não tomam decisões adequadas.
  • Diferentes pontos de vista – O descabeçado achava uma loucura João Sem Medo ir para o caminho cheio de pedregulhos porque lá seria apenas sofrimento e se percorresse o caminho que estava indicando seria bem feliz, pois sem a cabeça não precisaria pensar, apenas viver na bonança. Já João Sem Medo preferia ficar com sua cabeça e decidir por conta própria seus caminhos e acreditava que não é um caminho que definiria a sua infelicidade, mas sua própria vontade.
  • Gera possibilidade de mudança – Quantas pessoas reclamam que não têm resultados, mas continuam fazendo a mesma coisa? Os moradores da aldeia são os exemplos disso. Choram o dia todo, mas não fazem nada de diferente, pois a mudança pode ser assustadora. Você terá que aprender coisas diferentes, terá que lidar com novas situações, enfim, tomar decisões. João Sem Medo, ao contrário, queria sair da zona de conforto, ver um novo mundo.
  • Abrir mão de algo – João Sem Medo ao deixar sua aldeia abriu mão de sua zona de conforto, de sua mãe, de seus amigos para trilhar um caminho desconhecido, de novas aventuras e experiências. Na estória, não nos parece um grande sacrifício, porém quando nos deparamos no dia a dia, é algo que imobiliza muitas pessoas, pois elas gostariam de ter tudo, porém, em muitos momentos, precisamos definir algo para que possamos alcançar nosso objetivo.

Alguns pontos que me chamam atenção nessa estória e que gostaria de ressaltar:

  1. João Sem Medo chamou a fada para orientá-lo e ela não disse nada diferente do que ele imaginava, mas apenas para reafirmar sua decisão de seguir pelo caminho mais bonito; mesmo cismado de que isso parecia muito simples. Será que algumas pessoas não chamam “fadas” para ajudarem na decisão e no final não causam o resultado esperado? Precisamos contar com a opinião de pessoas que serão afetadas pela decisão e que poderão verdadeiramente nos ajudar a tomá-la, mas não qualquer pessoa. Às vezes, sabemos qual o caminho tomar e precisamos apenas que alguém valide para termos mais conforto. Outras vezes, vejo pessoas que chamam outras apenas para compartilhar a culpa se o resultado não for bom. Por isso, temos que mapear as pessoas mais adequadas e que podem nos ajudar.
  2. A fada diz que o caminho bonito leva à Felicidade e o outro à Infelicidade e João Sem Medo resolve ir pelo mais bonito, mesmo desconfiado. Temos que entender que as soluções nem sempre são simples, mas também nem sempre tão complicadas. Às vezes, temos a impressão de que está tudo muito fácil e por isso não devemos optar por este caminho e aí acabamos complicando tudo e não chegando a lugar nenhum. Ao entender os vários tipos de decisões que existem, conseguiremos identificar quando devemos ir por um caminho mais fácil e quando precisamos optar por outros. Por isso, uma análise é algo importante a ser feita sempre.
  3. Quando o descabeçado diz ao João Sem Medo que ele deveria ter a cabeça cortada para ser feliz porque não precisaria pensar, não poderia ter ideias perigosas e nem opinião me faz refletir sobre quantas pessoas “descabeçadas” temos por aí que não querem e não gostam de tomar decisões e vão sendo levadas pelas outras. Tomar decisões implica em responsabilidade e comprometimento e muitas pessoas não querem ter isso, preferem a sua “paz”. Por isso é interessante quando o descabeçado fala: “Que a paz e a estupidez estejam contigo”. Pessoas alienadas não sofrem porque pouco se importam com o que está acontecendo no mundo, não tem novas ideias e vão vivendo. Pessoas que pensam podem levar a empresa para um outro nível de engajamento, produtividade e resultado e isso pode ser “perigoso”, pois a empresa terá que enfrentar mudanças, sair da zona de conforto e poderá estar muito a frente de seus concorrentes.
  4. Ao decidir pelo caminho pedregoso João jura que não será infeliz porque não ele não queria. Esse é o ponto principal da questão de tomada de decisão. Talvez, para muitos não esteja claro, mas todas as decisões tomadas por João tinham um propósito: a busca da felicidade e é isso que facilita o processo. Quando não se tem a menor ideia do que se deseja, as pessoas ficam rodando no mesmo lugar. Quando se sabe onde se quer chegar, tem um objetivo, as decisões vão sendo tomadas para convergir para isso. As decisões empacam porque não há um norte e além disso, o tomador de decisão deve assumir a responsabilidade por ela, o que muitos não querem.

Tomar decisões é um hábito, quanto mais se pratica, mais o processo é facilitado. Experiências fazem a diferença. Sair da zona de conforto, lidar com pessoas, enfrentar o medo da complexidade e da responsabilidade pode te fazer um expert nas decisões pessoais, profissionais ou empresariais.

Se você quer o dono de sua vida, tome decisões! Caso contrário, não reclame se as pessoas tomarem por você. A vida não aceita vácuo…

Lembre-se disso!


Mudar o roteiro da sua vida: Não tem preço

roteirovida-0013Tenho várias manias, uma delas é: em tudo o que vejo, procuro fazer analogias com a vida, com os fatos do dia a dia.

Há um tempo, folheando uma revista, me deparei com a propaganda da Mastercard que dizia: “Mudar o roteiro da sua vida: Não tem preço”. Achei brilhante, ainda mais porque vem ao encontro do que vejo nas empresas por onde tenho passado.

Como tenho encontrado pessoas desmotivadas nas empresas mesmo com bons salários e excelentes cargos! Quando descobrem que minha especialidade é empreendedorismo e tomada de decisões, muitas dão um jeitinho de bater um papo em particular. Outras, quando descobrem que já fui funcionária de grandes empresas e que um dia tomei a decisão de sair e buscar um novo caminho, também querem saber o que fazer e tomar coragem para fazer o mesmo.

As pessoas acham que foi fácil tomar minhas decisões, não foi. Em 1994, foi a primeira decisão em mudar o roteiro da minha vida. Trabalhava na Suzano Papel, a meia hora de casa, tinha um bom salário e uma boa perspectiva pela frente, mas não era exatamente o que eu queria fazer e fui em busca de uma nova oportunidade.

Foram seis meses participando do processo rigoroso de seleção de trainees na Brahma (ainda não era Ambev). Dinâmicas, entrevistas, testes que me deixaram esgotada e ansiosa até que veio a resposta positiva da minha contratação.

Ser trainee implicava ganhar 20% menos do que eu ganhava, ainda tinha que enfrentar uma viagem de aproximadamente três horas por dia, entre ida e volta. Mas queria novos desafios e FUI! Afinal, o futuro de um trainee seria ocupar um cargo estratégico no futuro.

Depois de dois anos, um fato me deixou bastante frustrada e tomei minha segunda decisão da mudança de roteiro e essa foi muito dura. Abandonar uma empresa que admirava, deixar para trás o sonho de ser uma grande executiva (depois descobri que o sonho era muito mais das outras pessoas do que meu), começar algo do zero.

Criei coragem depois de analisar prós e contras e com meu noivo (hoje, marido) iniciei nosso primeiro empreendimento.

Nem tudo foram flores, erramos muito, mas acertamos muito também.

Como gosto muito de viajar, percebo que nossa vida é muito parecida com uma viagem. Às vezes, fazemos o caminho mais curto e perdemos paisagens maravilhosas. Outras, erramos o caminho, mas aprendemos que existem outros.  E tantas outras vezes, precisamos mudar o caminho, pois está fechado.

Só que para mudar roteiros e nos deparar com fatos que não poderíamos prever, exige coragem, persistência e assim, devemos lidar com os riscos de viver.

Há algum tempo, conversei com uma pessoa com um excelente cargo em uma grande empresa e ela me confidenciou que estava pensando em sair e buscar novos caminhos, pois depois de tanto tempo já estava muito desgastada e desmotivada.

Para minha surpresa, depois de alguns meses, estava nessa empresa ministrando um treinamento e ela abriu a porta e me deu um “tchauzinho” com um sorriso e um brilho diferente e partiu, mas soube apenas no final do dia que aquilo significava uma despedida, tinha tomado a decisão de mudar o roteiro de sua vida.

A pessoa que me contou de sua saída estava muito triste, pois gostava muito dela e disse saber que foi uma decisão acertada, mas que somos muito egoístas quando gostamos das pessoas; preferimos que mesmo sofrendo elas estejam perto de nós.

Já tomei tantas decisões ao longo do tempo: abrir e fechar negócios, mudar de emprego, de carreira e de área, casar, ter filho (e um só), mudar de cidade…

Será que fiz o que era certo? Tomei o melhor caminho? Realmente, não sei e nunca saberei. Poderia ter continuado o mesmo roteiro, me apegando às pessoas, aos títulos, ao poder, ao dinheiro por si só, mas decidi escrever uma história diferente. E de uma forma pensada, estruturada, planejada.

Uma história que começa todos os dias com personagens diferentes, enredos diversos e finais… que nunca poderei prever, mas que me faz uma pessoa realizada com as escolhas conscientes que fiz e isso, não tem preço!